O PODER DA FÉ
"De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus"
Rm 10-17

Artigos em PDF

Criamos arquivos em PDF de nossos artigos para que você possa ler, baixar ou compartilhar. Acreditamos que esses artigos poderão ajudar em muito seu crescimento cristão.

Cadastre-se

Informe aqui seu email e receba notificações de novos artigos em nosso site.


Informe o que você procura:

E Quando Deus Não Atende Nossa Oração?

Terça-feira, 04 de Agosto de 2015

O que devemos fazer quando estamos enfrentando um problema; oramos, oramos e oramos a Deus… mas não recebemos o que pedimos? Isso ocorre muitas vezes em nossa vida: simplesmente nossa oração não é atendida. A sensação que temos, nesses casos, é que Deus ou não nos ouviu ou nos virou as costas. Bem, na verdade não é isso o que ocorre. Há um acontecimento na vida de Paulo que pode nos conduzir a uma reflexão bem interessante sobre orações não atendidas.

Para pensarmos sobre essa questão, precisamos ler a famosa passagem do espinho na carne. “Conheço um homem em Cristo que, há catorze anos […] foi arrebatado ao paraíso e ouviu palavras inefáveis, as quais não é lícito ao homem referir. […] E, para que não me ensoberbecesse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne, mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte. Por causa disto, três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim. Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza” (2Co 12.2-9).

Pense bem: o que diferencia essa experiência de Paulo da sua experiência pessoal? Vejamos: Paulo tem um problema. Você tem um problema. Paulo ora a Deus pedindo uma solução. Você ora a Deus pedindo uma solução. Paulo não vê sua oração ser respondida da primeira vez. Você não vê sua oração ser respondida da primeira vez. Paulo persiste na oração, orando uma segunda vez. Você persiste na oração, orando uma segunda vez. Paulo não é atendido. Você não é atendido. Paulo ora sem cessar, clamando uma terceira vez. Você ora sem cessar, clamando uma terceira vez. Paulo não é atendido. Você não é atendido. Tudo igualzinho, reparou? A experiência do apóstolo em nada difere da sua. Só que, no caso dele, aconteceu um fenômeno que com você não acontece. É um detalhe nessa passagem que, a meu ver, é de suma importância.

Deus explicou.

Estas palavras de Paulo fazem toda a diferença: “Então, ele me disse…”. Sim, o Senhor verbalizou ao apóstolo, deu a ele uma explicação audível para o fato de não ter atendido seu clamor. E isso tirou do coração de Paulo toda a angústia que sente a pessoa que ora mas não é atendida. Havia uma explicação. Havia uma motivo cognoscível para aquilo. Mesmo que seu desejo não tivesse sido satisfeito, Paulo agora sabia a razão. E podia seguir em paz, pois tomou conhecimento do que levou Deus a não lhe conceder o que queria. E essa é a grande diferença da experiência de Paulo para a sua: ele recebeu uma justificativa. Com você e comigo isso não acontece. Ninguém nos diz por que nosso pedido ao Todo-poderoso foi negado.

Faça um exercício de imaginação. Suponha que Deus tivesse ficado quieto e simplesmente não explicasse a Paulo o porquê de não ter atendido aos seus pedidos. O apóstolo permaneceria ali, clamando, em angústia de alma, cheio de perguntas na cabeça. “Será que Deus não me ouviu?”. “Será que Deus só me atenderá daqui a muitos anos?”. “Será ao menos que Deus atenderá ao meu clamor algum dia, mesmo que demore?”. “Será que os céus se fecharam a mim?”. “Será que os meus pecados impedem Deus de atender minha oração?”. Será que o Diabo está impedindo Deus de atender meu clamor?”. Será, será, será, será, será…?

Paulo poderia ter feito isso, e não seria nenhuma novidade. Afinal… não é exatamente o que nós fazemos?

Deus decidiu em sua soberania que simplesmente não iria atender a oração de Paulo. Não teve nada a ver com falta de fé, ação do Diabo, pecado não confessado, nada disso. Simplesmente o Senhor disse “não” à oração do apóstolo porque queria proteger seu filho amado de pecar pela soberba. E é precisamente o que ele faz conosco em muitas e muitas situações semelhantes. Nós oramos, clamamos, nos esgoelamos, mas não somos atendidos. E aí os “será” invadem nossa mente e ficamos angustiados, cheios de conjecturas, sofrendo, questionando até mesmo a onisciência de Deus: “Será que ele não ouviu minha oração?”.

Claro que ouviu. Deus ouve todas as orações. E antes mesmo de orarmos ele já sabe o que vamos falar: “Ainda a palavra me não chegou à língua, e tu, SENHOR, já a conheces toda” (Sl 139.4)“. Essa ideia de que “Deus não ouve a oração” não é bíblica. O que acontece é que ele decide não nos dar o que pedimos. Ouve, pondera e responde com um grande “não”. Ponto. Não há fé no mundo que altere a vontade soberana do Criador do universo. Paulo não tinha fé? Possivelmente a maior do mundo. Mas Deus quis não atender seus pedidos, porque, por saber tudo, entendia que, no grande plano de causas e consequências do universo e da eternidade… não atendê-los era o melhor. Inclusive, era o melhor para o próprio apóstolo, embora ele não soubesse, visto que “todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” (Rm 8.28). A grande vantagem de Paulo é que o Senhor disse de forma inequívoca que tinha escutado a oração mas não a atenderia. Conosco ele não faz isso. Temos de nos contentar com o silêncio. Não vem resposta. O que pedimos não acontece. Ficamos impacientes, como se o Pai tivesse a obrigação de nos atender só porque oramos com fé. E não entendemos nada.

Em vez de ficar imerso em “será”, talvez Paulo partisse para a ação se Deus não tivesse afirmado explicitamente a ele que sua oração não seria atendida. É possível que orasse uma quarta vez, uma quinta, uma sexta, uma sétima. Talvez ficasse anos orando. E ficaria a ver navios, porque, apesar de sua inequívoca grande fé, Paulo estava debaixo da soberana vontade de Deus – e, para aquela oração, a resposta da soberania divina era “não”. Se Paulo fosse um crente temperamental ou imaturo, ele poderia “ficar de mal” com o Senhor ou até mesmo se desviar da fé. Não é o que muitos de nós fazemos? Como não recebemos de Deus o que pedimos o largamos para lá? Ou então tomamos as rédeas da situação e agimos pela força da nossa mão? Quero a cura, mas, como não fui curado, vou procurar um pai de santo. Quero prosperidade, mas, como não tive um aumento de salário, vou atrás de facilidades. Quero que liberem o meu processo na Prefeitura, mas, como não liberaram, vou dar propina. Quero me casar, mas, como não encontrei ainda a pessoa ideal, vou buscar no mundo. E coisas do gênero.

Deus é muito sábio. O silêncio dele é uma maravilhosa maneira de ver que tipo de crentes somos nós. Se o Senhor explicasse suas decisões e seus “não” a cada um de nós… aí seria fácil. Mas o fato de ele decidir não atender e – também – não responder nossa oração mostra o alcance de nossa fé, estimula nossa perseverança e nos testa, para ver até onde estamos dispostos a segui-lo e servi-lo tendo somente a graça divina em nossa vida. A graça dele nos basta. Ele sabe disso; nós é que não nós contentamos com ela, queremos porque queremos também as bênçãos. O silêncio de Deus ante uma oração não atendida é a maneira de o Senhor nos mostrar quem nós somos: se perseverantes, servis, fiéis, homens e mulheres de fé, murmuradores, interesseiros, compromissados… ou não.

Tenho visto que o problema maior entre nós, cristãos, não é Deus não atender nossas orações, mas ele não respondê-las. Como o silêncio divino é a regra (o que ele fez com Paulo é a exceção), isso nos tira do sério. O caminho para permanecermos inabaláveis na nossa fé e no relacionamento com o Senhor é sabermos que ele está agindo por trás do véu do silêncio. E, se não temos uma resposta, isso absolutamente não significa que ele não nos ouviu. Devemos abandonar essa ideia infantil. Deus é onisciente, ele ouve tudo, ele sabe tudo. Mas muitas vezes decide que atender nossos pedidos não é o melhor. Se confiarmos nele, isso nos conformará e confortará. “Entrega o teu caminho ao SENHOR, confia nele, e o mais ele fará” (Sl 37.5). Se não confiarmos… é hora de repensarmos todo o nosso relacionamento com o Senhor, porque estamos muito longe de entendê-lo.

Deus vai negar muitos dos teus pedidos. Mas tenha esta certeza: isso não significa que ele não ouviu tua oração. Foi exatamente o que aconteceu com Paulo. É o que acontece conosco. Num caso raro, o apóstolo foi presenteado com uma explicação da boca de Deus. Nós não somos. Diante disso, nosso papel é orar, perseverar em oração e esperar com paciência. E se, depois de tudo isso, não formos atendidos, que tenhamos sempre em nossos lábios as palavras de Jó: “O SENHOR o deu, o SENHOR o levou; louvado seja o nome do SENHOR ” (Jó 1.21). Como escreveu o mesmo Paulo: “Orem continuamente. Deem graças em todas as circunstâncias, pois esta é a vontade de Deus para vocês em Cristo Jesus” (1Ts 5.17-18). Orou mas não recebeu o que pediu? Dê graças. Em todas as circunstâncias dê graças. Ou seja: agradeça. Pois, se não recebeu, é porque não receber é o melhor. Não receber é pão e peixe. “Qual de vocês, se seu filho pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou se pedir peixe, lhe dará uma cobra? Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto mais o Pai de vocês, que está nos céus, dará coisas boas aos que lhe pedirem!” (Mt 7.9-11).

Obrigado, Pai, porque minha oração não foi atendida. Agradeço por isso, pois sei que, se o Senhor decidiu não atendê-la… o teu “não” é o melhor para mim.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >



Artigos em Ordem Alfabética

A Aparição Gloriosa830A Bíblia e o Espelho843A Bomba Atômica de Deus879A Candeia do Corpo é o Olho868A Ceia do Senhor821A Conspiração da Páscoa833A Esperança do Servo de Deus954A Fé Cristã525A Grande Diferença822A Igreja Não É Israel819A Importância da Doutrina da Trindade837A Inocência Perdida776A Oração Eficaz933A Pérola de Grande Valor768A Questão do Sábado802A Ressurreição Corporal de Jesus e a Doutrina da Reencarnação824A Sincera Dependência de Deus793A Trindade e a Lógica Humana389A Verdadeira Paz805A Volta de Cristo805A Volta de Jesus 860Abra a Boca966Adoração Verdadeira!748Ajuda? Só de Deus836Ânimo Em Meio às Aflições802Anjos784Apelo à Suprema Corte dos Céus757Aquele Que Faz a Vontade de Deus873Arrependimento e Remorso São Duas Coisas Diferentes806As Rezas Portáteis e o Agnus Dei1450Bênçãos Duradouras 824Carnaval - Caminho dos Tolos767Chamando Todos Os Pecadores770Como Detectar Uma Heresia788Como Estudar a Sua Bíblia869Como Nós Conhecemos a Deus?755Compromisso Com Deus994Confirme a Sua Reserva779Conhecimento da Verdade767Crescimento da Igreja e Salvação770Cristão Não Sofre869Cristianismo Apóstata779Cristo No Antigo Testamento796Críticas Ou Calúnias?767De Quem é a Terra Prometida?812Depressão: Como Sair?817Desobediência941Deus Age Na Nossa Fraqueza772Deus Em Tudo e Em Lugar Nenhum795Deus Manda, o Diabo Obedece356Deus Não É Mudo!781Deus, Irrelevante? Acredite, Se Quiser!767Deus, Os Sábios, e Estadistas776Dificuldades759Dízimos891Drogas, Uma Opção?800E Quando Deus Não Atende Nossa Oração?3948Encontrando Um Parceiro Ideal Para o Casamento781Enviados Para Iluminar788Erro Trágico779Eternamente Protegidos!711Eu Creio Em Milagres764Evidências do Novo Nascimento835Feiticeiros Na Igreja?843Filhos: Honra Teu Pai e Tua Mãe810Fui Comprado Por Jesus, e Você?756Guardemos Nossa Boca788Guiados Pelo Espírito Santo782Haja Paciência!784Igrejas Velhas Não Valem Nada784Imundície803Insatisfeito Com Sua Igreja?779Jejum, Uma Benção!787Jerusalém, a Cidade de Deus829Jerusalém, o Centro da Terra824Jesus Cristo Não Era Falho?762Jesus é o Santo Para Todos Os Problemas850Jesus, Nomes e Títulos774Jesus, Reencarnação de Davi?824Jonas, Verdade Ou Utopia?817Lágrimas806Lar Cristão: Marido e Mulher773Lave o Rosto778Loucos Por Dinheiro806Louvando a Deus Na Adversidade778Maldição Hereditária846Maomé X Jesus832Meios de Salvação799Não Zombe do Inferno806No Esconderijo do Altíssimo!768Nós e Os Ramos775Nova Era - o Velho Canto da Sereia793O Abc e Xyz da Salvação839O Batismo776O Céu e o Inferno768O Céu É Real773O Dízimo É Bíblico Ou Não?761O Dom do Espírito Santo760O Grande Mandamento, o Amor!789O Incompreensível Amor de Deus761O Movimento de Crescimento de Igrejas788O Não Querido das Nações771O Novo Nascimento Em Cristo772O Ocultismo Não Vem de Deus794O Olhar Perfurante de Jesus1256O Paraíso Será Restaurado772O Plano Divino da Salvação343O Que Fazer Quando Não Sei o Que Fazer?780O Que Fazer Quando Nossos Projetos Falham?476O Sofrimento de Cada Dia768O Valor do Perdão789Olhe Para Jesus Cristo Para Ser Salvo806OraÇÃo, Falar Com Deus!776Orai Sem Cessar882Os Crentes e a Grande Tribulação798Os Illuminati e a Nova Ordem Mundial773Palmeiras Ao Vento777Pare de Lutar Com Deus776Pecado e Perdão801Piercing e Tatuagem 890Por Que Celebramos a Páscoa?766Por Que Deus Justo e Perfeito Permite a Morte de Criancinhas e Tantas Mazelas No Mundo?762Por Que Os Judeus Não Receberam Jesus?785Por Que Somos a Última Geração846Por Que Tanto Ódio Aos Judeus?780Por Que Tanto Sofrimento?812Por Que Um Deus Bom Permite a Doença e a Dor?766Problemas Financeiros: a Solução764Protelar Por Que?769Quando790Quando a Sua Religião Se Torna Inútil445Que Deus Tremendo!777Que Livro Maravilhoso797Quebra de Maldição789Quem Será o Cruel Anticristo?744Raízes Profundas735Religião É Um Barco Furado772Religiões - Conheça a Verdade761Religiões: É Tudo Parecido?764Remissão dos Pecados792Ressurgir do Pó755Sepulcros Caiados744Ser Cristão706Será Que o Espiritismo é Bíblico?793Sinais750Sinais do Fim773Sinceridade Não Basta743Sintonize772Sob a Lei e Em Cristo807Sola Scriptura - Somente As Escrituras775Subir Ao Monte770Temos de Pregar Para Os Mortos775Três Ausências Que Conspiram Contra o Sucesso 789Tsedaká776Um Best-seller de Bênçãos!792Um Coração Apto Para Deus763Um Exemplo Ante o Sofrimento777Um Seguro de Vida Gratuito803Uma Mulher Vestida de Sol852Você Não Sabe o Que Está Perdendo768